Num triângulo de Ilhas, uma lenda de Açores. De rosto humano!

Imagem
Dou comigo a recordar aquele mestre do Terra Alta que - numa travessia das Velas para São Roque, já lá vão mais de 25 anos - me contava do Sr. Quaresma, de braço no ar, em cima do velho cais da Madalena.
Em dias de temporal, contando as ondas... para marcar o momento seguro de entrada do barco.

Clique para se deslumbrar! ►

Naquele triângulo de ilhas, o barco era tudo: Viu nascer as crianças (mais impacientes!) que não aguardaram até ao hospital da ilha em frente... foi viatura de funeral ou ambulância.
Muitas histórias de amor se teceram à distância, vertidas nas cartas confiadas a João Quaresma para que as encaminhasse para os amores ausentes.
Ou os açafates da comida e as encomendas que os pais mandavam para os miúdos da Ilha Montanha que tinham ido estudar para a Horta. Do lado de lá. o Gilberto das Lanchas, com a sua carrocinha, havia de tratar das entregas em mão.

Não havia lancha que arriscasse demandar o porto da Madalena sem ordem de João Quaresma. Todos os dias em cima do cai…

Uma canção de Jorge Palma: "Imperdoável é pisar quem está no chão"

Imperdoável é o que não vivi canta Jorge Palma. Mas imperdoável é desistir de lutar diz ele também na sua canção.

Imperdoável foi escrito para a peça A Balada da Margem Sul, de Hélder Costa, levada à cena pela companhia de teatro A Barraca.
Integrou o álbum Com Todo o Respeito editado em 20011. Sobre esse álbum, Jorge Palma chegou a dizer que estava a querer escrevê-lo mas não saía nada de jeito.
A falta de inspiração acabaria por ser o mote para Página em Branco outra das composições deste álbum. Um dos mais celebrados das suas quatro décadas de canções.

Saboreiem o Videoclipe oficial deste tema.

Realização e fotografia de Aurélio Vasques.
Produção foi de Elisabete Pedreira




Imperdoável é o que não vivi
Imperdoável é o que esqueci
Imperdoável é desistir de lutar
Imperdoável é não perdoar

Tive dois reis na mão
E não gostei
Vi catedrais no céu
Não as visitei
Vi carrosséis no mar
Mas não mergulhei
Imperdoável é o que abandonei

Vejo-me cego e confuso nesta cama a latejar
O que seria de mim sem o meu sentido de humor
Praticamente mudo sinto a máquina a bater
É o rugido infernal destas veias a ferver

Imperdoável é dispensar a razão
Imperdoável é pisar quem está no chão
Imperdoável é esquecer quem bem nos quer
Imperdoável é não sobreviver

Vejo-me cego e confuso nesta cama a latejar
O que seria de mim sem o meu sentido de humor
Praticamente mudo sinto a máquina a bater
É o rugido infernal destas veias a ferver

Imperdoável é o que não vivi
Imperdoável é o que esqueci
Imperdoável é desistir de lutar
Imperdoável é não perdoar

Não perdoar
Não perdoar
Não perdoar

Muita gente está a ler também:

"Carolina": O dueto magistral de Carminho com Chico Buarque

"Amar pelos dois" - Canção portuguesa está a ser falada lá fora!

Quem se terá lembrado de pôr um funil dentro de uma lagoa?